Publicado por em dez 6, 2012

Uma imagem, quando bem elaborada, transmite a sua mensagem de forma rápida, objetiva e direta. Às vezes, ela nos seduz a ponto de nos lembrar-mos dela após meses ou até anos.

O uso de fotografias ou ilustrações em peças de comunicação é bastante comum, desde a criação das primeiras formas de representação gráfica. As imagens têm papel especial no estímulo de nossas emoções. Elas atraem o olhar e despertam os sentidos, nos induzindo ao pensamento. Se não as compreendemos de imediato, recorremos ao imaginário e às experiências vividas para desvendarmos o seu real significado. A interpretação vai depender da percepção e sensibilidade de cada pessoa.

A assimilação das informações de uma imagem, muitas vezes, independe de cultura, idioma ou grau de instrução. Em peças criadas com uma língua estrangeira, por exemplo, podemos não decifrar o que dizem os textos, mas com certeza somos capazes de compreender o contexto da mensagem através de fotografias ou ilustrações. Quem já não se deparou olhando para um outdoor que, depois de certo tempo, esqueceu o que estava escrito mas se lembrava exatamente da imagem que ele continha.

O processo de assimilação e retenção da informação de uma imagem acontece de forma emocional e subliminar e, por isso, é bem mais fácil do que o de uma palavra. Devido à força que ela tem para transmitir idéias ou conceitos, a imagem se torna elemento estrutural essencial nas peças de comunicação. Ela reforça a intenção da mensagem e amplia a sua permanência em nossos pensamentos. Através da emoção conseguimos convencer as pessoas a “comprarem” uma idéia. A função primordial de uma peça de comunicação, afinal, é conquistar a todos com a sua mensagem, seja para vender ou informar.

E para quem ainda duvida do poder de síntese e representação de uma imagem, o ditado popular confirma: Mais vale uma imagem do que mil palavras!